O simples contempla a beleza e o inusitado no cotidiano da vida

No ofício de cumprir a sina do tempo, equilibrando tédios e harmonizando sentimentos, muitas vezes, encontro olhares que se perderam no simples do cotidiano sem mais saber quem são na rota dos dias, perpetuando a ausência e uma contínua incompreensão acerca de seu papel no cenário da vida.

Parece que temos o dom de complicar a vida! Muito já ouvi e também entoei tal afirmação; e percebo que, em muitas circunstâncias, conseguimos mesmo assassinar a simplicidade em nome do equívoco e da ansiedade. E isso produz em nós um grande mal.
Quando acontecem as crises

As maiores crises que vivemos em nossa história têm como impulso o fato de nos afastarmos da simplicidade, para nos olharmos, para decidirmos e planejarmos, principalmente, simplicidade para compreendermos a nós mesmos e aos outros.

Tudo o que é simples nos autoriza a entender que a vida acontece a cada dia, e que somente no fragmento do tempo, que se chama hoje, ela caminha, possibilitando que a construamos, colocando um tijolo de cada vez.

Ser simples é entender que podemos apenas uma coisa de cada vez, que a felicidade se constrói aos poucos e que os erros também nos ensinam a ser feliz.

O simples contempla a beleza e o inusitado no cotidiano da vida, ele não vive a gastar inutilmente suas energias na constante procura de novidades.

Ser simples é saber conviver com o comum e ser feliz nele. Tal virtude nos poupa de empregarmos forças naquilo que não nos compete, pois nos fixa no que é essencial.

Ilusões e anseios pelo extraordinário

A vida se torna vazia para os que se fazem reféns da ansiedade e, freneticamente, perseguem a existência.

A simplicidade permite à vida o direito de acontecer sem exigir que ela satisfaça, de forma paranoica, nossas ilusões e anseios pelo extraordinário.

A arte de ser simples nos ajuda a colocar coisas e pessoas em seus devidos lugares, revelando também qual é o nosso lugar na existência.

A simplicidade descomplica e nos faz enxergar os fatos com menos “dó” de nós mesmos, sem eleger culpados para nossas próprias frustrações.

Ser simples é também enxergar as dores com mais naturalidade, assumindo-as como realidade inerente à nossa condição humana, sem fazer “tempestade em copo d’água”.

Aprendamos com esse dom e permitamos que nossa maneira de enxergar o mundo nos descomplique, fazendo-nos mais abertos e receptivos à felicidade que mora no mistério do comum e das pequenas coisas.

Padre Adriano Zandoná

Fonte: Canção Nova

“Que a Copa do Mundo seja sempre festa de congraçamento!”, diz arcebispo de Florianópolis

Jul 02, 2018
O assunto que está mobilizando as atenções do mundo todo é a Copa do Mundo de Futebol. No…
19

Peregrinação a Bari: Papa pede orações por iniciativa de paz pelo Oriente Médio

Jul 02, 2018
Uma iniciativa em favor da paz no Oriente Médio que envolverá lideranças cristã de…
16
Default Image

Programação da Festa de Senhora Sant’Ana 2018

Jul 02, 2018
Dia 16 (Segunda-feira) - Abertura Oficial da Festa 5:00h - Queima de fogos nos…
226

Bispos definem o processo de atualização das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil

Jun 20, 2018
Parte da manhã do segundo dia de reunião do Conselho Permanente da Conferência Nacional…
44
papa o mundo tem necessidade

Papa: o mundo tem necessidade de cristãos com coração de filhos

Jun 20, 2018
"Deus me impõe as coisas ou cuida de mim? Os seus mandamentos são somente uma lei ou…
30

Correção sobre o caso Grabois-Lula

Jun 13, 2018
Corrigindo um nosso serviço precedente sobre o caso Grabois-Lula, devemos ressaltar que…
35
premios cnbb

CNBB divulga lista de finalistas de cada categoria dos Prêmios de Comunicação edição 2018

Jun 13, 2018
Dom Darci José Nicioli, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação,…
28

Papa propõe uma 'sã inquietude' para os jovens

Jun 13, 2018
Nesta quarta-feira (13/06), o Papa Francisco se reuniu com fiéis, turistas e romanos na…
27