Uma tradição judaica daquele tempo nos revelaria a mensagem arrepiante representada por esse gesto aparentemente insignificante

O Evangelho segundo São João, no capítulo 20, nos fala de um lenço que tinha sido colocado sobre a Face de Jesus quando Ele foi sepultado, ao final da tarde da Sexta-Feira Santa.

Ocorre que, após a Ressurreição, quando o sepulcro foi encontrado vazio, esse lenço não estava caído a um lado, como os lençóis que tinham envolvido o Corpo de Jesus. O Evangelho reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado à cabeceira do túmulo de pedra.

Mas por que Jesus dobrou o lenço que cobria a Sua cabeça no sepulcro depois de ressuscitar?

Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena foi até o local e descobriu que a pesadíssima pedra que bloqueava a entrada do sepulcro tinha sido removida. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele a quem Jesus tanto amara – São João Evangelista – e lhes disse:

“Retiraram o Corpo do Senhor e não sei para onde O levaram!”

Pedro e o outro discípulo correram até o túmulo. João passou à frente de Pedro e chegou primeiro. Parou e observou os lençóis, mas não entrou. Então Simão Pedro chegou, entrou no sepulcro e notou os lençóis ali deixados, enquanto o lenço que havia coberto a Divina Face estava dobrado e colocado a um lado.

Isto é importante? Definitivamente.

Isto é significativo? Sim.

Por quê?

Para poder entender a significância do lenço dobrado, temos que entender um pouco a respeito da tradição hebraica da época.

O lenço dobrado tem a ver com uma dinâmica diária entre o amo e o servo – e todo menino judeu conhecia bem essa dinâmica. O servo, quando preparava a mesa de jantar para o amo, procurava ter a certeza de fazê-lo exatamente da maneira desejada pelo seu senhor.

Depois que a mesa era preparada, o servo ficava esperando fora da visão do amo até que ele terminasse a refeição. O servo não se atreveria jamais a tocar na mesa antes que o amo tivesse acabado. Ao terminar, o amo se levantaria, limparia os dedos, a boca e a barba, embolaria o lenço e o jogaria sobre a mesa. O lenço embolado queria dizer: “Eu terminei“.

Agora, se o amo se levantasse e deixasse o lenço dobrado ao lado do prato, o servo não ousaria tocar ainda na mesa, porque aquele lenço dobrado queria dizer: “Eu voltarei!”

___________
Adaptado de excerto do livro “Histórias e parábolas para a família“, do pe. Chrystian Shankar


Fonte: Aleteia

Pastoral da Pessoa Idosa realiza confraternização de Páscoa

Abr 20, 2018
Além dos agentes que compõem o grupo, a confraternização teve como público os idosos que…
45
batismo espirito

O que é “Batismo no Espírito” ou “Efusão do Espírito”?

Abr 20, 2018
A graça de um novo Pentecostes Um dos pré-requisitos para ser membro de um Grupo de…
1

Qual é o melhor momento para rezar?

Abr 20, 2018
Sabe quando ninguém é capaz de entender realmente o que você está sentindo? Nesse exato…
2

A verdadeira alegria está no encontro pessoal com Deus

Abr 20, 2018
A verdadeira alegria está no encontro com Deus. No mundo atual em que vivemos, tão…
3

Papa em Alessano: Livrar-se dos sinais do poder, para dar espaço ao poder dos sinais

Abr 20, 2018
Diante da "tentação recorrente" de apegar-se aos "poderosos de plantão", escolhemos os…
1

Mês Missionário Extraordinário é apresentado aos bispos durante 56ª AG

Abr 20, 2018
Foi apresentado durante a 56ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do…
1

Bispos reunidos em sua 56ª Assembleia Geral enviam mensagem ao povo de Deus

Abr 20, 2018
O cardeal Sergio da Rocha, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)…
3

Papa Francisco: não existe evangelização de poltrona

Abr 19, 2018
Em sua homilia, Francisco destacou que é o Espírito quem impulsiona os cristãos à…
1