A Santa Missa não pode ser trocada por orações pessoais: sem ela, não há fé católica

Oliveira

O próprio Jesus foi enfático sobre a necessidade de comungarmos do Seu Corpo e Sangue para termos a Vida em nós

Durante este período profundamente excepcional de restrições à participação na Santa Missa por causa da pandemia, não faltaram católicos opinando que os sacramentos não são necessários para a nossa vida e salvação eterna, já que eles poderiam ser “substituídos” pelas orações pessoais, pela leitura da Bíblia, pelo acompanhamento de celebrações litúrgicas via televisão ou internet etc.
As palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, no entanto, são enfáticas:

“Em verdade, em verdade vos digo: Se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o Seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem come a Minha carne e bebe o Meu sangue tem a vida eterna e Eu o ressuscitarei no último dia. Porque a Minha carne é, em verdade, uma comida, e o Meu sangue, em verdade, uma bebida. Quem come a Minha carne e bebe o Meu sangue fica em Mim e Eu nele” (Jo 6, 53-56).

Ao comentar estas palavras contundentes, Santo Irineu observou que nós próprios somos feitos de carne e osso: se a nossa carne não é salva, então quer dizer que o Senhor não nos redimiu com o Seu sangue e que o cálice da Eucaristia não é comunhão com o Seu sangue, nem o pão da Eucaristia é comunhão com o Seu corpo. A Eucaristia nutre e dá substância também à nossa carne e não somente ao nosso espírito, pois somos uma unidade indissociável de corpo e alma, inteiramente remidos por Cristo. A participação na Sua vida de graça abrange, portanto, a nossa totalidade. Nossos corpos, nutridos pela Eucaristia, serão ressuscitados porque o Verbo lhes dá a ressurreição. Ele torna imortal o nosso corpo mortal e incorruptível a nossa carne corruptível. Prescindir da corporeidade da nossa fé é truncar a nossa fé e, portanto, deturpá-la. A plena fé católica exige a Comunhão Eucarística, que não é virtual nem meramente simbólica, mas real, tangível. Jesus Cristo está realmente Vivo e Presente, em Corpo e Sangue, Alma e Divindade, nas formas visíveis e tangíveis da Eucaristia.

O cristianismo sem a Eucaristia se reduz a apenas mais uma entre tantas religiões espiritualistas. A verdadeira fé católica, porém, simplesmente não é possível sem a Santa Missa, porque, sem a Eucaristia, estaria privada do próprio Cristo, que é sua razão de ser.


A partir de texto de Nicola Bux em La Nuova Bussola Quotidiana

Fonte: Aleteia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Papa: a ciência e a fé em diálogo intenso pela conversão ecológica

“A Igreja não tem soluções prontas para propor”, mas quer agir concretamente pela proteção da Casa Comum. O Papa Francisco, ao receber nesta quinta-feira (3) um grupo de franceses leigos que atuam pela causa, ainda afirmou – em discurso entregue aos presentes – que a Igreja “quer formar consciências a […]