Como ser misericordioso consigo mesmo

Oliveira

Já percebeu como é mais difícil mostrar misericórdia para nós mesmos do que para os outros? Mas todos nós somos dignos de perdão

São Francisco de Sales disse certa vez: “Seja paciente com todas as coisas, mas acima de tudo, seja paciente com você mesmo”.
Mas, para mim, esse conselho é surpreendentemente difícil de seguir. Meus erros passados ​​se repetem como filmes ruins em minha mente. Eu retrocedo e assisto de novo e de novo. Eu me castigo e me pergunto como poderia ter sido tão descuidado, estúpido e egoísta. Mesmo décadas depois, memórias antigas fazem meu rosto corar. É muito difícil seguir em frente.

Esse é um problema comum a muita gente. Eu sei porque, como padre, ouço muitas confissões. Dou garantias constantes de que Deus, de fato, perdoa. Não há problema em ser mais paciente com nossos erros, seguir em frente e parar de pensar no passado. Encorajo as pessoas e – às vezes – até as instruo parar de falar repetidamente sobre o mesmo pecado passado. Nossa fé nos garante que Deus esquece tudo, então não há necessidade de continuar insistindo nisso.

Penso que é mais fácil oferecer misericórdia aos outros do que a nós mesmos. Fico feliz em mostrar misericórdia aos outros e tenho certeza de que você também. É um gesto de bondade e um ato de amizade. É bom oferecer misericórdia. Então, por que não posso fazer o mesmo por mim?

Eu acho que sei demais. Não há como esconder meus motivos de mim mesmo. Não posso fingir que cometi um erro inocente. Na verdade, há momentos em que ajo por malícia. Fui ferido e quero vingança. Outras vezes, agi sem pensar e não adianta fingir que meu egoísmo não era uma grande parte da minha motivação. Como meus pensamentos internos são expostos, parece que preciso pagar algum tipo de penalidade antes de seguir em frente. Devo fazer uma penitência e obter perdão. Qualquer coisa menor parece fácil demais. Misericórdia deve ser conquistada. A verdadeira misericórdia, no entanto, nunca é conquistada; é dada.

A necessidade que as pessoas têm de rejeitar a misericórdia e, de alguma forma, tornarem-se dignas de perdão é um enorme problema. Recusar ser misericordioso consigo mesmo é uma forma de orgulho. Perdoo os outros com facilidade, mas acredito que as mesmas falhas em mim são imperdoáveis. Porém, a verdadeira misericórdia não se limita aos delitos que consideramos compreensíveis; funciona mesmo quando sentimos que nossos pecados são maiores e não merecemos o perdão.

Precisamos nos aceitar com os nossos erros do passado e do presente. Considere como você pode mostrar misericórdia a um amigo. Vem fácil e naturalmente. Agora seja seu melhor amigo. Considere o conforto e os conselhos que você pode oferecer a alguém em uma situação semelhante. Pergunte se você não está sendo muito duro consigo mesmo e se não é hora de seguir em frente. Eu sei que isso pode ser difícil. Para mim, isso significa deixar o orgulho para trás, juntamente com expectativas irreais de perfeição pessoal. Mas é preciso confiar mais em mim.

A misericórdia deve ser eterna. Por definição, é gratuita e imerecida. É a única maneira de seguirmos em frente. Não significa justificar nossos erros. Significa superá-los.

Fonte: Aleteia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

O Papa no Regina Caeli: não há noite que não se possa enfrentar com Jesus

Na oração mariana do Regina Caeli, este III Domingo da Páscoa (26/04) , Francisco ressaltou que na vida estamos sempre em caminho. E nos tornamos aquilo rumo ao qual caminhamos. “Escolhamos o caminho de Deus, não o caminho do eu; o caminho do ‘sim’, não o dos ‘se’. Descobriremos que […]